Vacina de Oxford protegeu macacos da pneumonia causada pela Covid-19, mostra estudo publicado na 'Nature'

Resultados preliminares da pesquisa haviam sido publicados em maio, mas só agora foram aprovados e divulgados na revista, uma das mais importantes do mundo.

Vacina da universidade está sendo testada em humanos em vários países, inclusive no Brasil.

Mais de 160 vacinas estão sendo desenvolvidas em todo o mundo, segundo a OMS Mulher segura frasco com a inscrição "Vacina Covid-19" em foto do dia 10 de abril de 2020 Dado Ruvic / Reuters A vacina da Universidade de Oxford para a Covid-19 preveniu, em macacos, a pneumonia causada pela doença, mostra uma pesquisa que teve publicação antecipada on-line nesta quinta-feira (30) na revista cientifica "Nature", uma das mais importantes do mundo. Os resultados preliminares dos testes já haviam sido divulgados há cerca de dois meses e meio, mas a publicação na revista significa que eles foram validados por outros cientistas (passaram pela chamada "revisão por pares", ou "peer review", em inglês).

Esse passo é necessário para que qualquer estudo científico seja publicado em uma revista. "Não foram observadas evidências de pneumonia viral nem doença inflamatória imune" nos macacos vacinados, disseram os cientistas.

A imunização com a vacina, tanto em dose única como aplicada com reforço, induziu a produção de anticorpos e resposta imune celular em macacos resos.

Não foram observados efeitos colaterais. Segundo os cientistas, além de ficarem protegidos da pneumonia causada pelo novo coronavírus, os macacos vacinados também tiveram menor carga viral (quantidade de vírus) em amostra retirada dos pulmões e do trato respiratório inferior.

Seis animais foram vacinados com uma dose da vacina, 28 dias antes de serem expostos ao Sars-Cov-2 (o novo coronavírus).

Outros seis foram vacinados 56 dias, e, depois, 28 dias antes da exposição ao vírus. GRAVIDADE: Reação inicial do corpo à Covid-19 pode prever se a doença será grave, indica estudo liderado por brasileiros MODERNA: Vacina da Moderna protege vias aéreas de macacos contra o Sars CoV-2, mostram novos resultados Os anticorpos contra uma parte específica do vírus começaram a aparecer já 14 dias depois de apenas uma dose, e foram "significativamente aumentados com a segunda imunização", disseram os pesquisadores. Para os macacos que receberam as duas doses da vacina, o vírus infeccioso (capaz de provocar a infecção pela Covid-19) só foi detectado até um dia depois de o animal ter contato com o vírus.

Nos macacos que receberam apenas uma dose, o vírus foi encontrado até 3 dias depois da exposição. SEQUELA: Covid atinge o coração e inflamação em músculo é achada semanas após recuperação Os cientistas alertaram, entretanto, que a vacina foi capaz de evitar a doença causada pelo novo coronavírus, e não de impedir a transmissão ou a infecção por ele. "Nosso principal objetivo para uma vacina contra a Sars-CoV-2 é prevenir a doença, e não observamos pneumonia ou antígeno viral nos pulmões de animais vacinados", disseram. "Com base nos dados aqui apresentados, é possível que uma dose única ou dupla da vacina não impeça a infecção nem a transmissão do vírus.

No entanto, isso poderia reduzir significativamente a doença [causada por ele]", explicaram os cientistas. A microbiologista Natália Pasternak, presidente do Instituto Questão de Ciência, explica que o ideal seria que a vacina impedisse ambos: a doença causada pelo vírus e a transmissão.

"Não é só a de Oxford, todas as vacinas estão com esse problema", afirma Pasternak.

"O ideal seria impedir a transmissão também, mas se ela impedir a doenca já é uma vantagem", afirma. Ensaios em humanos O excesso de coagulação no sangue pode causar trombose, infartos ou embolia pulmonar John Cairns/University of Oxford via AP Na semana passada, os cientistas de Oxford anunciaram que a vacina da universidade é segura e induz resposta imune.

A imunização está sendo testada em fase 3 (a última) no Brasil e em outros países. O efeito deve ser reforçado após uma segunda dose da vacina, segundo os cientistas. A resposta imune foi medida em laboratório.

São necessários mais testes para confirmar se a vacina protege efetivamente a população contra infecções pelo novo coronavírus.

Os cientistas ainda não sabem, exatamente, o quanto de resposta imune é necessária para combater a doença. Empresa diz que vacina de Oxford progride na fase final G1 em 1 Minuto: Candidatos ao Enem 2020 terão que usar máscaras Initial plugin text Busque pelo título do caso
Categoria:Ciência e Saúde